Chico Science & Nação Zumbi fizeram um disco genial, com uma sonoridade inovadora, que trazia as alfaias do maracatu em destaque, dos tambores, misturados com umas guitarras pesadas, meio “hardcore”. A linguagem era bastante atual, com discurso coerente e tinha influência de hip hop. Era similar ao que rolava no rap: falavam de protestos e de ideias além do amor. Conseguiram ser pop, o bagulho estourou na mídia, mas usando essa linguagem e sagacidade deles. Deram nova textura e configuração à música nordestina, que destoava do conceito que as pessoas tinham na época. Até então, a imagem da música feita no nordeste era muito regional, muito tradicional e folclórica. Era o forró e o baião. Não existia nada tão inovador quanto o que Chico Science fez em nenhum outro lugar do mundo.